Poder versus Força

“O nosso medo mais profundo não é que sejamos inadequados.
O nosso medo mais profundo é que sejamos por demais poderosos. 

É a nossa Luz, não a nossa Escuridão, que mais nos assusta.”
Marianne Williamson

 

 

 

O desconhecido assusta-nos e o nosso poder é desconhecido.
A força mata-nos e usamo-la sob a pretenção de que ela nos salva.

 

Queremos sentir-nos seguros e esquecemos-nos de explorar para lá do normal.
Queremos sentir-nos aceites e vendemos os nossos preciosos tesouros em troca.
Queremos aprender e esquecemos-nos que não sabemos nada até nos conhecermos a nós mesmos.

 

Forçamos os nossos valores, as nossas crenças e as nossas formas aos outros.
Forçosamente construímos muros para nos protegermos do que não é uma ameaça.
Forçosamente esperamos estabilidade quando a mudança é a nossa única constante.

 

A força está virada para fora.
A força é guiada pela vergonha, culpa, censura, raiva e medo.
A força ilude-nos a procurar no exterior.

 

Ficando no familiar nós negligenciamos o nosso poder.
Distraindo-nos com o drama de todos os dias nós ficamos mais fracos.
Tentando encaixar no molde nós encolhemos o nosso poder e expandimos a nossa frustração.

 

E ainda questionamos porque é que estamos a ficar cada vez mais doentes?
Como podemos entrar neste poder?

 

O poder está virado para dentro.
O poder verdadeiro é guiado pela coragem, integridade, vontade, razão, amor, contentamento.
O poder convida-nos a agir a partir da origem.

 

 

Por Angela Mendes Traduzido por Joana Luz

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *